Viver com 50% do salário líquido




Desde o ano passado tenho trabalhado em maximizar meus aportes e diminuir despesas.


E um dos objetivos principais é viver com 50% do salário líquido


Isso requer ter um belo planejamento financeiro, um orçamento certinho e segui-lo à risca.


Desde já parabenizo você se já atingiu esse objetivo e consegue guardar 50% ou mais do seu salário líquido. 



Isso porque não é uma tarefa fácil abdicar de algo e guardar dinheiro. Ainda mais no Brasil, que possui uma população que não tem educação financeira em seu currículo e que trabalha para pagar dívidas (Pesquisa recente revelou que apenas 20% dos que sacaram o FGTS vão investir o dinheiro. Fonte: http://www.sbt.com.br/jornalismo/sbtbrasil/noticias/87532/Maioria-dos-brasileiros-vai-usar-dinheiro-das-contas-inativas-do-FGTS-para-pagar-dividas.html).

Mas vamos lá, digamos que você já esteja fora da classe dos endividados e já é um poupador/aportador. Já analisou quanto consegue aportar e com que frequência? Seus aportes são constantes? 

Desde que impus essa meta (sabe aquelas promessas de ano novo? bom, essa época sempre é interessante para eu rever meus objetivos de vida), ainda não consegui atingi-la. Claro que eu sabia que havia muitas coisas para serem resolvidas... a principal era quitar as contas parceladas. 

E de mais a mais, sempre considero o início de ano pesado nas finanças, pois tem IPVA, IPTU e seguros. Despesas essas que não tenho no 2º semestre.

Todavia, até o momento o maior vilão é o gasto extra ou gasto inesperado... tipo algo que quebra em casa e não tem mais conserto, ou uma reforma, ou gasto extra com farmácia... enfim, algo a ser trabalhado. 

Bom, vamos lá... Qual a minha situação atual

Nos últimos meses a minha situação é a seguinte: 

Salário 100,00%
Cartão de crédito 30,00%
Moradia (financiamento e condomínio) 12,70%
TV a cabo/Internet/Telefone 3,00%
Seguros (5 meses) 6,00%
Luz 1,00%
Cursos de línguas 2,50%
Outros – gastos diversos ou não programados 6,80%
Aporte mensal para investimentos 38,00%


Ou seja, nesses últimos meses eu constatei que preciso de 62% do salário para viver e consigo salvar 38% para aportes.

Dentre os itens que posso melhorar estão os gastos diversos e o cartão de crédito. 

Bom, o cartão de crédito engloba tudo: alimentação, farmácia, lazer, transporte, roupas, etc. Tudo que posso eu pago no cartão a fim de gerar pontos para programas de milhagem. Por isso um alto valor do salário é destinado a essa parcela. 

Todavia, este é um item que eu posso facilmente baixar para 25%. Para isso, alguns cortes de luxos desnecessários terão que ser realizados (compras em shopping e restaurantes caros serão os primeiros a serem cortados), bem como quitar compras parceladas.

O outro item que me impede de salvar 50% ou mais do salário é o gasto diverso. Neste item eu deixo um dinheiro em conta para gastos extras no dia-a-dia, que atualmente consome 6,8%. Aqui entram gastos pessoais ou com terceiros. 

Também é uma rubrica que posso reduzir... mas teria que ter um controle financeiro maior e mesmo assim teria de 3 a 4% de gasto nessa rubrica, pois seria um caixa para gastos não programados.

Mas com planejamento, um pouco de frugalidade e objetividade, já conseguirei salvar 45 a 46% do salário em 5 meses do ano e nos meses que não há parcelas de seguros a pagar esse percentual aumentará para 51% a 52%. 

Para o meu perfil de casado, pai de família que já passou dos trintão acho difícil viver com menos de 50% do salário, pois a frugalidade extrema é algo para poucos como o casal Frugalwods (http://www.frugalwoods.com/2014/04/10/how-we-save-65-annually/) ou o jovem William: http://firstquarterfinance.com/how-i-save-85-of-my-income/.

Enfim, tudo é uma questão de metas e objetivos. O meu principal é a independência financeira, sendo que viver com 50% ou menos do salário é uma grande conquista para alcançar meu objetivo. 

E você? Já parou para analisar quanto do seu salário você realmente precisa para viver?


Dicas para viver com menos e guardar parte do seu salário


  • Uma boa dica para quem quer começar a guardar dinheiro é quitar as compras parceladas e reduzir novas compras. De parcelamento em parcelamento o montante do salário vai sendo deteriorado. 
  • Saiba exatamente quando você gasta e comece um controle a partir daí. Criar uma planilha simples e estipular valores para gastar já é um ótimo começo (por ex. este mês vou gastar 200,00 em gasolina, 200,00 em farmácia, 1000.00 em alimentação e assim por diante).
  • Corte as compras impulsivas. Grande parte do salário é gasto com inutilidades que muitas vezes sequer precisamos ou vamos usar.
  • Compre apenas aquilo que você realmente precisa. Faça uma faxina no seu guarda-roupa e veja quanta coisa você comprou que não usou. Use isso para refletir
  • Outra forma de economizar é comprando pela internet. Há muita diferença de um mesmo produto na loja física e na internet.
  • Há alguns anos eu compro eletrodomésticos e eletrônicos na BlackFriday. Apesar de haver muitas ofertas do tipo tudo pela metade do dobro, por sorte ou não, sempre consegui comprar produtos caros (geladeira, lava e seca, máquina fotográfica semiprofissional, ar-condicionado) com bons descontos (entre R$ 300 a R$ 600). Basta ter paciência e pesquisar bastante.


Poderia listar outras inúmeras dicas, mas aí demandaria uma mudança mais radical. De todo modo as dicas acima já são um ótimo começo para quem quer adentrar no mundo dos poupadores.



14 comentários:

  1. É isso ai Finansfera$!

    Quando solteiro, consegui aportar mais de 50% do meu salário. Agora casado mal consigo 30%... Preciso estudar maneiras de aumentar isso...

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De fato Investidor Inglês, não é algo fácil. Mas aqueles que conseguem estão um passo a frente na corrida pela independência financeira. Abs.

      Excluir
  2. Ótimo post, Finansfera!

    Pra controle dos gastos pessoais, eu uso a planilha que é fornecida no curso de Finanças Pessoais e Investimentos em Ações da BOVESPA no Veduca (http://veduca.org/p/financas-pessoais-e-investimentos-em-acoes).

    O curso é bem legal pra quem quer tomar as rédeas dos gastos pessoais. A planilha é bem completa e fácil de ser editada.

    Sempre tive um controle razoável dos meus gastos, mas fazia tudo de cabeça e como sabemos, não dá pra confiar na sua memória. Portanto decidi procurar uma planilha que me atendesse nessa tarefa.

    Agora eu anoto tudo lá, bem discriminado, e coloco inclusive data e local onde gastei o dinheiro. Isso ajuda muito a lembrar das coisas e a segurar certos impulsos que temos (principalmente quando envolve comida, meu ponto fraco).

    Só com esse hábito simples, consegui evoluir do estágio onde só guardava dinheiro quando sobrava, para o estágio onde sempre sobra dinheiro. Estou aguardando finalizar em Julho a única compra parcelada que tenho em cartão, pra então conseguir fechar um valor fixo de aportes, que sempre será a primeira coisa a sair da minha renda. O que sobrar vai ser usado pra me manter durante o mês. Esse é o estágio final, pra se considerar realmente um investidor.

    Atualmente estou conseguindo poupar cerca de 32% da minha renda líquida. Ao terminar de pagar essas parcelas prevejo um incremento para 41%.

    Apesar da minha renda ser baixa, consigo poupar um bom percentual e também me programo para destinar participação de lucro na empresa, 13º e eventuais rendas extraordinárias integralmente para aporte.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parabéns Wanna, conseguir aportar 32% já uma grande vitória. Chegar aos 40% é um grande desafio, mas com disciplina é possível. Comida é mesmo um desafio e tbm é meu ponto fraco. A fim de gastar menos nessa rubrica, separo um que outro fim de semana para ir em restaurantes, mas passei a cozinhar mais e comer melhor. Além disso, você pode encontrar diversos pratos legais de comidas mais elaboradas no google e seguir a filosofia do faça você mesmo e comer muito bem e com certeza vai gastar bem menos do que vc gastaria em um restaurante para comer a mesma comida. Obrigado por compartilhar esse link dos cursos, ainda mais que são grátis hehehe. Abraço,

      Excluir
    2. Mto bom amigo, eu como sou solteiro consigo guardar 50% do salário bruto. Estou aproveitando.

      Excluir
    3. É bom aproveitar. Mas a partir do momento que você tem uma companheira que compartilha do mesmo ideal que você, as coisas se tornam mais fáceis. Abraço.

      Excluir
  3. Essa é uma meta muito boa.

    Minha previsão é para aportar 70% por ano.
    No final do ano farei um post se consegui ou não. Por enquanto estou indo bem.

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 70% seria fantástico e bem ambicioso. Vá nos atualizando, é sempre legal analisar as estratégias do pessoal, pois sempre conseguimos aproveitar algo. Abraços.

      Excluir
  4. 50% é uma meta bem ambiciosa, mas é possível!

    O grande segredo é aumentar a renda e manter o padrão de vida, assim a transição fica mais suave!

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade SM. O difícil é quando precisamos efetuar cortes radicais e mudar o padrão de vida. Aí é complicado, pois a economia tem que ser algo que te dê prazer e satisfação e não o contrário.
      Abraço!

      Excluir
  5. Olha parabéns, 38% do salário é uma quantia fabulosa, o grande vilão somos nós mesmo, comprando principalmente parcelados, por mais difícil, transporte e impostos são outra carga difícil. Outra dica boa é compra no Mercado Livre e participar do mercado pontos, que a partir de um certo nível vc tem frete grátis. Atualmente compro muita coisa por lá, principalmente itens de casa que dão problemas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Srinivasa Ramanujan. Concordo plenamente. Também utilizo muito o ML para comprar coisas. Os preços são muito melhores. Para se ter uma ideia, precisava de um cabo para internet de 30 metros. Na loja saia por 100 conto. Resulta: Mercado Libre: paguei 30 com frete. Aos pouquinhos você cria uma cultura de economia e isso passa a ser algo contumaz na sua vida. Abraço!

      Excluir
  6. Em alguns momentos já vivi com 25% do salário líquido encontrando conforto em 40% deste, admito. Porém, casei meu amigo, aí já viu, kkkk. Apesar de dividir despesas, uma vida a dois requer muito cuidado e hoje planejo mais ainda e apesar de muito esforço, os gastos cresceram..
    Mas como a união é recente, estamos nos adaptando financeiramente e minha esposa recentemente progrediu profissional e financeiramente, ô glória! Kkkk.
    Gosto de ler as dicas e perceber como as pessoas são diferentes, pois eu tenho 5 cartões de crédito e cada um tem uma finalidade, foi a melhor forma que encontrei para controlar e acompanhar os gastos. Não gosto de dinheiro físico, me dá tristeza gastá-lo e tenho dificuldade em contabilizar os gastos. Por exemplo, uso um cartão pra gasolina, outro para lazer, outro para compras no mercado e assim vai, cada um tem uma finalidade, todos sem taxas e anuidades e eu sigo acompanhando os lançamentos e gastos no celular e assim tudo dá certo no final. Mas cada um tem uma maneira particular de organizar as despesas e esse é o legal.
    Já peguei muitas ideias de colegas nos blogs e confrontei com as minhas e no final extraí uma versão final que me servia, essa é a beleza da coisa...
    Vlw!

    PS: Te add ao meu roll para acompanhar melhor! Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala Lorde das Moedas, espera para ver quando chegar o herdeiro hehehe. Enfim, o importante é você ter uma parceira que seja realmente parceira em sua empreitada. Muito legal essa ideia de usar vários cartões. Hoje pago tudo que posso no cartão pois também não gosto de carregar e pagar com dinheiro, pois acho ruim de controlar uma vez que pelo cartão fica muito mais de ver nas faturas cada gasto. Achei genial a ideia de usar um cartão para cada tipo de gasto. Acho que vou adotar esse estilo. Vou aproveitar que estou dando uma mudada em meus cartões e cortando os que tem anuidade por livres de qqr taxa. Valeu pela dica. Abraço. Ps. já está adicionado no blogroll.

      Excluir

Comente aqui.

Abaixo você encontra os posts mais recentes da blogosfera financeira