Guardar dinheiro x curtir a vida

Fala galera da finansfera, tudo beleza? 

O post de hoje é um pouco mais reflexivo. 

Na verdade é um questionamento que em algum momento de nossa vamos nos fazer: guardar dinheiro ou curtir a vida?

Até que ponto vale a pena abdicar de viver os prazeres da vida em prol de aportes na busca da independência financeira? 

Já faz dias que reflito sobre isso e sobre os objetivos de vida, afinal, quando impomos um objetivo a longo prazo é necessária muita disciplina para atingi-lo e não perder o foco.



Existe até uma suposta carta recebida e lida pelo jornalista Max Gehringer (veja aqui), na qual a pessoa fala que se tivesse deixado de tomar seu café diário por 40 anos teria juntado 30 mil, se tivesse cortado a pizza mensal teria economizado 12 mil e assim por diante... roupas, viagens, bebidas... cortando tudo, hoje estaria milionário. No final, ele conclui que se tivesse efetuado tais cortes e juntado esse dinheiro, ele o usaria para tomar seus café, comer suas pizzas, viajar e comprar roupas caras e itens supérfluos. Assim, conclui ele, que é feliz por ser pobre pois curtiu os prazeres da vida. 

Bom, para mim, esse texto nada mais é do que uma grande falácia. O texto é bonito e tal e te leva a acreditar nisso. 

Contudo, você não precisa radicalizar e cortar os cafés, as pizzas e as viagens para ficar milionário. Basta trabalhar para ter as duas coisas. Achar seu ponto de equilíbrio na busca pela independência financeira, pois é possível curtir a vida e guardar dinheiro.


Aliás, enquanto escrevia e editava esse post o amigo Investidor Inglês escreveu este post (http://investidoringles.blogspot.com.br/2017/08/como-nao-se-sentir-deprimido-devido-a-um-baixo-orcamento.html), que vale a pena dar uma lida sobre dicas boas para você aproveitar a vida quando você tem um baixo orçamento. 

Voltando ao texto da suposta carta, ele foca em um ponto de vista equivocado: de que é necessário abdicar de tudo para atingir a IF, ou, como diz na carta, ser milionário. E como nessa vida não temos certeza de nada pois não sabemos que surpresas o destino nos reserva, o texto nos intui a acreditar que viver o presente é melhor do que planejar e deixar tudo para o futuro. Que ou você curte a vida ou você poupa para o futuro.

Acredito que não podemos pensar assim se buscamos a independência financeira e nessas horas devemos manter o foco e achar um ponto de equilíbrio entre poupar e curtir a vida.

Afinal, você precisa gastar todo o seu rendimento mensal para ser feliz? 

Eu, com certeza não preciso, pois tenho um planejamento para viver com 50% do salário líquido. Ainda não atingi esse patamar, mas tenho trabalhado para aumentar meus rendimentos e assim poder manter um padrão de vida confortável e me dar a um luxo do qual não abdico: viajar. 

Nesse ponto, para mim, abdicar de tudo parece muito radical. Mas coisas que considero supérfluas e que não me farão falta acho válido abdicar.

Constantemente acompanhamos as manobras dos blogueiros para conseguir melhorar seus aportes, seja economizando, cortando certos "luxos" do dia-a-dia, evitando de comer e beber fora de casa, cortando TV a cabo, telefone celular, exercitando a frugalidade ao extremo e por aí vai. 

De outro lado, estamos rodeados por pessoas que todo feriado dão aquele pulinho ao litoral ou aparecem em suas redes sociais ostentando jantares em restaurantes caros com muita frequência ou andando com celular de última geração.

Pois é! São inúmeras as tentações de largar tudo para o alto.

Todavia, é difícil (ou impossível) apontar quem esteja certo ou errado, pois cada pessoa é diferente e tem uma maneira de pensar com objetivos diferentes para o futuro. 

A verdade é que a maior parte da população não está preocupada com o futuro. 

Preocupam-se com o agora e buscam no consumismo desenfreado uma maneira de acalentar suas frustrações e alcançar a felicidade, ainda que essa alegria seja momentânea: com a compra de um celular de última geração, comprando roupas, etc. (Em um passado distante eu já fui assim, mas com o passar dos anos minhas prioridades mudaram).

Enquanto essas pessoas pensam o quanto podem gastar neste mês, o pensamento do poupador é: quanto vou conseguir aportar/economizar esse mês.

Afinal, muitos de nós, poupadores e aportadores vorazes abdicam de certos luxos, visando buscar a independência financeira em um futuro incerto. Reflita um pouco: quantas vezes você ficou com vontade de sair para jantar fora, mas quando parou para analisar os gastos acabou desistindo? Eu, pelo menos, foram inúmeras vezes, principalmente quando o orçamento para o item alimentação já estourou. 

Enfim, é tudo uma questão de perspectivas e prioridades.

A minha prioridade é não ser escravo do sistema até morrer. Quero ter minha independência financeira o quanto antes e vou fazer o que for necessário para isso, dentro dos limites que entendo toleráveis e saudáveis para tanto.

Afinal, essa deve ser uma atividade prazerosa e que deve acontecer de forma natural, pois caso contrário vai se tornar algo penoso e que não vai fazer bem.

Enfim, retomando ao título desse post: guardar dinheiro x curtir a vida acredito que é possível com planejamento achar um ponto de equilíbrio e assim não só guardar dinheiro como ao mesmo tempo curtir a vida.

Por fim, a dica que dou para todos, sempre que bater aquela desanimada na corrida pela independência financeira, é de dar uma passada nos blogs abaixo para servirem como fonte de inspiração. Todos eles já atingiram o "milhão" e vocês vão ver que para muitos deles também não foi fácil essa caminhada. 

http://viverderenda.blogspot.com.br

http://guardiaodomobral.blogspot.com.br

http://heavymetalinvestimentos.blogspot.com.br

https://frugalsimples.blogspot.com.br/

http://viverdeconstrucao.blogspot.com.br/


25 comentários:

  1. Pra responder essa pergunta em primeiro lugar se deve responder outra pergunta:

    Pra você o que é curtir a vida?

    Já ví esses questionamentos do que seria melhor ou mais interessante curtir a vida ou aportar e o que vejo é que a maioria dos blogueiros e comentaristas aportam principalmente porque não tem tanta necessidade de gastar dinheiro hoje.
    Dificilmente alguém acostumado a ostentar, que gosta de status, chamar atenção etc vai se privar de gastar 50% do salário ou mais para pensar num futuro a longo prazo. Então o que faz a diferença mesmo nesse caso é a personalidade das pessoas.
    Tanto que mesmo os que já atingiram grandes cifras mudaram pouca coisa em suas vidas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Excelente comentário Anon. Vc resumiu nem: o perfil e personalidade é tudo. É só ver o ViverdeRenda. 4m na conta e seus gastos continuam em 5k em média, algo incrível, pois ele poderia torrar uma boa grana mensal. Abraço!

      Excluir
  2. É isso ai Finansfera!

    Essa tal carta leva às pessoas à conclusão precipitada de que "curtir a vida" e "poupar dinheiro" são opções antagônicas, quando na verdade é perfeitamente possível conciliar as duas coisas de forma saudável.

    Por isso que não gosto dessas matérias tipo "se tivesse deixado de beber cerveja e investido o dinheiro em ações da AMBEV hoje seria milionário". Ué, eu posso investir na AMBEV e beber cerveja, as duas coisas não são excludentes!

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exato Ministro! Muitos tentam vender a ideia de que só é possível guardar dinheiro abdicando de tudo nessa vida, o que é não é verdade. O que devemos é cuidar para a abdicação não se tornar uma doença e no fim das contas se tornar algo prejudicial à nossa vida ou nossa saúde. Abraço!

      Excluir
  3. Concordo é preciso um equilíbrio entre guardar dinheiro e curtir a vida, nem só um , nem só o outro, é igualmente importante que façamos os dois, para aproveitar o presente e o futuro.

    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acredito que é por aí mesmo DIL. Cada um tem seu ponto de equilíbrio. Eu gostaria até de ser mais frugal e tal, mas tem coisas se eu cortar de minha vida, vai perder a graça. Então o ideal é buscar um ponto de equilíbrio. Abraço!

      Excluir
  4. Excelente post Finasfera.

    As pessoas pensam que para curtir a vida tem que gastar dinheiro sempre, mas não é bem assim. Acredito que ter uma vida simples é bem melhor a depender sempre de dinheiro para curtir a vida. Quando ei atingir a IF não vou mudar meus hábitos, pois não me sinto confortável e nem gosto de ficar por aí torrando dinheiro em baladas, shopping, etc.

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Perfeito Cowboy. O fato de já ter uma personalidade bem definida dificilmente vai mudar, conforme o anon postou acima. Eu também não pretendo mudar muita coisa não. Aliás, pretendo simplificar muita coisa, principalmente se os planos de morar no exterior der certo. Vejo que lá na Europa, por exemplo, morando em uma cidade servida com um bom sistema de metro dá para ficar sem carro, ou no caso de ter um, o uso ficaria restrito a passeios de fim de semana. Aqui eu preciso usar carro todo dia. Abraço!

      Excluir
  5. Muito bom Finansfera! E valeu pela menção! ;)

    Essa carta ai leva muitas pessoas a conclusões erradas...

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu Inglês. Verdade, enquanto isso eu vou continuar com a minha pizza mensal. Abraço!

      Excluir
  6. Ótimo post,
    Em minha opinião, tudo é questão de mentalidade. Se vc conseguir reprogramar seu cérebro para sair da pira consumista que a sociedade e a mídia ficam todo o tempo bombando em nossas cabeças, vc vai ver que pode curtir a vida de muitas outras maneiras sem torrar todo o seu dinheiro. E sem frugalidade extrema também.
    E vc tem que ver o que realmente tem valor e vc não abre mão. Por exemplo, eu nã abro mão de fazer uma viagem legal uma vez por ano, e considero isso um investimento de vida e não um gasto como qualquer outro.
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade Samurai, há tempos abdiquei de comprar por comprar. Se vou para o shopping para ir no cinema, por exemplo, já vou programado para não comprar mais nada, apenas cinema. E é difícil conseguir isso, mas com o tempo dá para tirar de letra. Também penso que viagens são investimentos e procuro programar uma viagem legal por ano. Abraço!

      Excluir
  7. É Finansfera, complicado isso. Estou aportando e seguindo o plano, mas também não quero deixar de viver.

    Obvio que viver nao significa gastar todo o salário do mês, mas sim aportar 40% ao invés de 50% do salário, e com esses 10% fazer algo que goste. No meu caso, estou namorando um veiculo aqui que custa 50k e no Brasil 200k. Se eu financiar no banco, pagarei míseros 3% de juros em 2 anos e terei um carro que sempre curti, sem contar que os gastos de gasolina e seguro aqui sao bem baixos. Talvez faca um post disso, estou bem tentado hehe

    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois então BnA. Acho que é uma questão de definir as suas prioridades e necessidades. Mas você pode comprar um carrão a preço de carro popular no Brasil, a tentação de fato é grande. Ainda mais com acesso a juros tão baratos. Qdo puder faça um post comparativo de preços das coisas aí e aqui no Brasil. Tipo, preços dos carros, imóveis, itens de supermercado, farmácia, etc. Seria interessante. Abraço!

      Excluir
  8. na minha opinião as varias formas de economizar qui vi ao longo desse artigo, todas são validas o que não vali é não fazer nada e se não fizer nada, nada acontece. e acredito também na forma equilibrada e poder economizar e curti a vida dentro da condição de cada um

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Perfeito Rafael, é muito importante definir os objetivos e colocar em prática. Abraço!

      Excluir
  9. eu tenho enorme dificuldade de encontrar o meio termo. eu economizo cada centavo. deixo de viajar e as vezes de comer em um lugar legal para economizar. tenho uma mentalidade poupadora,mas minha meta é conseguir mudar um pouco isso e tentar curtir mais a vida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. $$$ se você é feliz com a sua forma de vida siga assim. Não necessariamente você precise gastar dinheiro para curtir a vida. Aliás, como disse o Anon acima: Pra você o que é curtir a vida?Abraço!

      Excluir
  10. Como diria o Chaves, prefiro morrer do que perder a vida rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahaha é isso Stifler, temos que encontrar um meio termo nessa nossa empreitada para sair da corrida de ratos. Abraços!

      Excluir
  11. Tá aí uma denominação que vou anotar: "aportadores vorazes".
    Cada um tem um objetivo, um planejamento e uma válvula de escape, mas o que impera é o mindset da pessoa e como ela se comporta dentro daquela realidade, pois eu já tive momentos que fui extremamente mesquinho e sofria quando gastava 2 reais não previstos, eu era um poupador voraz, kkkk. Mas naquele momento era oportuno e ainda voltarei a este patamar! Casei e agora divido o lar e as despesas e não posso mais monopolizar o controle dos gastos, senão minha mulher me larga, rs...
    Mas como dizia, houveram momentos de privação extrema, mas naquele momento era adequado e oportuno. Quando percebi que estava desgastante mudei o planejamento e readequei os gastos e a realidade. É aquela coisa, o que é luxo pra uns é necessário pra outros, do mesmo modo o que pode parecer mesquinharia é dedicação e foco para alguns. Cada qual sabe o que melhor lhe serve, basta aprender e compartilhar experiências e dicas para que possamos descobrir o melhor para nós mesmos!
    Sucesso! Vlw!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Excelente colocação Lorde. Às vezes temos que nos adequar à nossa realidade. Acho que isso é bem importante para não enlouquecermos, pois senão essa obsessão pela IF pode se tornar uma paranoia. Abraço!

      Excluir
  12. Também penso assim! Muito bom seu blog!

    ResponderExcluir
  13. Excelente post! Serve de inspiração.

    ResponderExcluir

Comente aqui.

Abaixo você encontra os posts mais recentes da blogosfera financeira