Alguns ensinamentos do livro: O homem mais rico Babilônia

Alguns ensinamentos provenientes do livro: O Homem mais rico da Babilônia


Fala galera, tudo tranquilo? 

Há quantas andam as leituras de vocês? Hoje aproveitei o voo da volta do feriadão para retomar o hábito da leitura (Isso, após visitar um grande amigo e planejar diversos projetos financeiros - aliás, em breve acredito que teremos um novo blogueiro conosco). 

Voltando ao post, aproveitei para ler o livro "O Homem mais rico da Babilônia". Ainda não terminei, mas a leitura é rápida e prazerosa, o que faz fluir muito rápido. Já devorei metade do livro e é tanta coisa interessante que gostaria de esboçar uma breve resenha e postar diversos trechos interessantes, para fins de manter um arquivo pessoal com os quais eu identifiquei diversas verdades.

De antemão, antecipo: o texto a seguir contém trechos do livro: O homem mais rico da Bailônia. 

O legal que muitos trechos do livro nos trazem ensinamentos que a grande maioria da blogosfera já prega, o que reforça muito do que já postamos e compartilhamos.

Enfim, se você ainda não leu o livro, vale a leitura. Leia e após volte aqui para ver se você também se identificou com os trechos que eu separei. 

Para quem está iniciando nos investimentos é leitura obrigatória, e para quem já está nessa jornada, ajuda na reflexão e a raciocinar para ver que caminho estamos tomando.

Se quiser, continue por sua conta e risco.


Bom, essBest-Seller de George Clason é um clássico baseado em uma parábola ambientada na antiga Babilônia que nos traz ensinamentos de como acumular riqueza e soluções para a falta de dinheiro.

A parábola é centrada em Arkad, filho de um humilde comerciante e desprovido de qualquer herança. Ambicioso, o jovem Arkad decidiu que buscaria "seu quinhão entre as boas coisas da vida". 

O que ele fez para conseguir isso? 

Decidiu que iria investigar como alguém consegue acumular riqueza e tornaria essa sua própria tarefa, quando descobrisse. 

Dias após dias de trabalho, seus ganhos eram todos consumidos, mas Arkad continuava firme no seu propósito de alcançar seu objetivo, até que conheceu Algamish, um homem muito rico, o qual precisava da transcrição de uma lei em dois dias.

Passado o prazo, Arkad não havia terminado o serviço de transcrição, mas aproveitou para fazer uma proposta para Algamish. Se esse lhe ensinasse a ficar rico, Arkad passaria a noite em claro e entregaria a transcrição no outro dia.

E assim se sucedeu. No outro dia, em posse da transcrição, Algamish repassou os seguintes ensinamentos:  

  • 'Achei o caminho para a riqueza quando decidi que conservaria comigo uma parte de tudo que ganhasse. E assim fará você.' "E continuou me olhando com uma insistência que parecia ir ao fundo de minha alma, mas não disse mais nada. " 'É tudo?', perguntei. " 'Foi o suficiente para transformar o coração de um pastor de ovelhas no coração de um emprestador de dinheiro', replicou ele. " 'Mas tudo o que ganho não vem mesmo para o meu bolso?', perguntei. " 'Nada mais falso', respondeu ele. 'Você não paga pelas roupas e pelas sandálias que usa? Não paga pelas coisas que come? Consegue viver na Babilônia sem fazer despesas? O que tem para apresentar do que recebeu no mês passado? E de tudo quanto ganhou no último ano? Louco! Você paga a todo mundo, menos a si mesmo. Idiota, está trabalhando para os outros. 
  • 'Cada moeda de ouro que economizar é  um escravo que pode trabalhar para você. Cada cobre que essa moeda produzir torna-se um filho apto a levantar mais fundos. Se quiser tornar-se rico, então tudo o que você economizar deve ser utilizado no sentido de proporcionar-lhe toda a abundância por que anseia.' 
  • Uma parte de tudo o que ganha pertence exclusivamente u você. No mínimo, um décimo, mesmo nas ocasiões em que tiver recebido pouco dinheiro. Pode ser mais, de acordo com o que produzir. Pague a si mesmo primeiro. 

Ou seja, trazendo para nossa realidade, temos o primeiro ensinamento: procure gastar menos do que você ganha. Cada real economizado é um soldado para trabalhar para você e trazer novos soldadinhos que trabalharão para você na construção da independência financeira.

Todavia, todos nós que já estamos na busca pela independência financeira sabemos que só poupar não basta para atingir a IF e a riqueza. O ideal é multiplicar esse dinheiro. E o segundo ensinamento que dá para extrair do livro é: invista de forma consciente naquilo que você conhece ou com especialistas que detenham know how para tal. 

No livro, após um período fora, Algamish retornou para ver como Arkad havia se saído. Após meses poupando, entregou o dinheiro a Azmur, um oleiro, o qual compraria joias na Fenícia e depois revenderiam a um preço alto e repartiriam o lucro. Todavia, Azmur não era ourives ou joalheiro e assim acabou comprando vidros que nada valiam e a economia de Arkad foi pelo ralo. Algamish então repassou seu segundo ensinamento

  • "Aquele que aceita conselhos sobre suas economias junto a pessoas inexperientes em tais matérias pagará com essas mesmas economias para provar a falsidade da opinião dos outros."
Quantas semelhanças com a realidade não? Quantas vezes investimos nosso suado dinheiro esperando um retorno fabuloso e perdemos até o capital. 

Apesar da perda, Arkad adquiriu o hábito de poupar e não via nenhuma dificuldade de fazer isso. Passou a ser algo natural na sua vida. (qualquer semelhança entre a sua realidade e essa obra de ficção não é mera coincidência).

Passaram mais doze meses, e Algamish retornou para ver como Arkad se saíra. Arkad, todo orgulhoso expôs que economizara seu 1/10, mas dessa vez confiou suas economias a Agger, fazedor de escudos para comprar bronze e assim receber parte dos lucros. Algamish perguntou então à Arkad o que ele estaria fazendo com esse extra. Arkad, feliz, disparou que fez festas, comprou roupas, comeu e bebeu bem.
Algamish então disparou seu terceiro ensinamento

  •  'Você está comendo os filhos de suas economias. Como pode esperar que trabalhem para você Como eles mesmos poderão ter filhos que venham a produzir mais renda para você? Primeiro reúna um exército de escravos dourados, e só então poderá refestelar-se com banquetes ricos sem sentir remorsos.' E, assim dizendo, partiu novamente.
Ou seja, trazendo para a nossa realidade: reinvista seus rendimentos. Monte um exército de reais ou dólares (já que a cada dia que passa mais investidores buscam mandar suas economias para o exterior) e faça os juros compostos tornarem-se seus soldados na busca pela Independência financeira. 

As ações, os juros e dividendos recebidos, os FIIs, títulos e todos tipos de investimentos serão os seus soldados na busca pela independência financeira. São eles que vocês vão colocar para trabalhar para vocês.

Bom, para saber o que aconteceu depois com Arkad é interessante ler o livro. 

Mas basicamente, acima temos uma resenha da primeira parte do livro O Homem mais rico da Babilônia e os principais ensinamentos recebidos por Arkad e que se aplicam plenamente na atualidade.

A todos que estão iniciando nos investimentos, assim como Arkad aconselhou seus amigos, o conselho é fazer uso dos ensinamentos que Algamish repassou:

  • Aconselho-os a fazer uso da sabedoria de Algamish e dizer a si mesmos: "Uma parte de tudo o que eu ganhar pertence a mim." Digam isso pela manhã assim que acordarem, à tarde, à noite, em todas as horas do dia. Digam isso a si mesmos até que as palavras se transformem em letras de fogo gravadas no céu. "Impregnem-se com a idéia. Ocupem toda a alma com esse pensamento. E assimilem tudo que lhes pareça sábio. Separem não menos de um décimo e economizem. Façam todas as despesas necessárias, mas poupem primeiro essa pequena cota. Cedo vão experimentar a deliciosa sensação de um tesouro cuja posse cada um de vocês tem legitimamente condições de reivindicar. Quanto mais ele crescer, mais se verão estimulados. Vibrarão com uma nova alegria de viver. Encararão a possibilidade de maiores esforços para ganharem mais. Pois não estarão reservando, sobre os lucros maiores, a mesma percentagem?"Aprendam portanto a fazer com que seu tesouro trabalhe para vocês. Tornem-no seu escravo. Façam seus filhos e os filhos de seus filhos trabalharem para vocês.


O livro traz uma energia muito boa, assemelhando-se a um livro de auto ajuda financeira e que traz muitas verdades em seu bojo.

Bom, como eu li até a metade, ainda tem muita coisa para explorar. Quem sabe em um post futuro eu explore as dicas sobre as "sete soluções para falta de dinheiro". 

Até a próxima!

18 comentários:

  1. Nunca li o livro, más gostei da resenha. aportar em ativos geradores de renda passiva, parece ser o que mais se aprende no livro, claro com outras palavras.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vale a leitura Beto. Pelo menos, a primeira parte do livro frisa bastante na questão de economizar e colocar o dinheiro trabalhar para você! Abraço!

      Excluir
  2. Fala Finansferas,

    Fiquei com bastante vontade de ler esse livro. Tem e-book? Preciso comprar um Kindle urgente rsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala BnA, acredito que tenha e-book sim. Vale a pena a leitura. Abraço!

      Excluir
  3. Respostas
    1. Fala Cowboy, já tinha visto diversos comentários a respeito e resolvi colocar a leitura em dia! Abraço!

      Excluir
  4. Eu tenho esse livro Finansfera! Devorei ele em poucos dias... Após ler seu relato, bateu uma vontade de lê-lo novamente

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E aí Inglês! Então, a leitura fluiu tão rapidamente, que li a metade dele em menos de duas horas. Abraço!

      Excluir
  5. EU JÁ lí esse livro, e realmente é um dos mais legais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade Bufunfa, acredito que ele já entrou para os top 10 de finanças que eu li! Abraço!

      Excluir
  6. Comecei a ler este tipo de livros depois de velho, quase aos 40, nunca é tarde para começar, rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala Uó! Então...não é tarde mesmo. E mesmo assim, ainda que a pessoa se ache a mais experiente e acredite que já tenha vivenciado de tudo, o livro vai te trazer algo de novo, e isso é legal. Sem falar que na medida que você lê, você vai se identificando e protagonizando certas situações. Isso é o mais legal da leitura, complementar aquilo que vivenciamos na prática. Abraço!

      Excluir
  7. Este livro é um clássico. Muito boa sua resenha Finansfera!

    Já pensou se este livro fosse leitura obrigatória para os jovens brasileiros?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado TR! Sou da opinião que educação financeira deveria ser matéria obrigatória em todas as escolas! Abraço!

      Excluir

Comente aqui.

Abaixo você encontra os posts mais recentes da blogosfera financeira