Trabalho x Felicidade x Independência Financeira

Fala galera!

Já faz um tempinho que fiz um post sobre parar de trabalhar e uma pesquisa aqui no blog: 
Se você atingisse a independência financeira, o que faria?
Dentre as diversas opções de múltipla escolha, apenas 16% continuariam trabalhando e apenas 7% abririam um negócio, um índice relativamente baixo se formos analisar.


Dentre os itens mais votados temos: 
  • 42% - Adotaria uma rotina para uma vida saudável;
  • 37% - Se dedicaria ao mercado financeiro aos próprios investimentos;
  • 34% - Rotina com atividades culturais (línguas, música, etc);
Ou seja, a grande maioria quer mesmo é mudar de vida, largar o emprego/trabalho atual e adotar um novo estilo de vida. 

É muito temerário tirar qualquer conclusão, mas nos faz refletir: 

Nós somos felizes em nossos trabalhos/empregos?

Quando eu era adolescente, ficava imaginando qual seria a faculdade que iria cursar, pensando nas opções do mercado de trabalho, qual a minha vocação, o que gostaria de fazer da vida e por aí vai. Enfim, dezenas de dúvidas pairavam sobre minha mente e não conseguia encontrar a resposta. A resposta é que eu não sabia qual era a minha vocação.

Para falar a verdade, ainda não tenho certeza... talvez deveria ter tentado algo no mercado financeiro, o que me levar a ser um dos 37% que respondeu essa alternativa na pesquisa. 

Mas será que seguir a vocação profissional é sinônimo de felicidade?

A grande verdade é que poucas pessoas são felizes em seus trabalhos/empregos. 

E são poucas pessoas que podem se dar ao luxo de fazer o que gostam, por "n" motivos.

O fato é que hoje já não estou disposto a tentar descobrir qual é minha vocação.

Isso porque, apesar ter me formado em uma área que não era a minha primeira opção, encontrei no meu trabalho coisas que acho fundamental para a vida profissional de qualquer pessoa. 

E consequentemente, foram determinantes para gostar do meu trabalho.

Se vou parar de trabalhar quando atingir a IF? Há grandes chances, pois acredito que a independência financeira proporciona uma coisa que nenhum trabalho/emprego proporcionou-me: liberdade. 

E parar por completo? Talvez tirar um período sabático para testar como é a vida sem bater ponto.

E acredito que o fator liberdade x tempo seja comum a muitos que responderam essa pesquisa. Falta-nos tempo, tempo para viver, para aproveitar a vida, para fazer atividades culturais, atividades físicas, para curtir com a família, etc.

Quantas pessoas vocês conhecem que o trabalho é a sua vida? 

Enquanto a Independência Financeira não vem, nos resta trabalhar e trabalhar. 

Então, o que fazer para essa atividade ser menos penosa? 


O trabalho é um meio e não um fim

Eu considero que inicialmente é ver o trabalho como um meio e não um fim. Explico: pense que ele é uma escadaria que vai te levar até um determinado patamar na subida para sua IF. 

Valorize-o e procure meios de galgar alguns degraus mais rápidos. Procure visualizar no seu trabalho as oportunidades disponíveis e lute para agarrá-las. 

Gostar do que faz

Eu encontrei um trabalho no qual eu gosto muito do que faço. 

Diferentemente de muita gente, não tenho problemas em chegar no fim do domingo e pensar que o dia seguinte é segunda-feira e tenho que ir trabalhar. 

Considero-me um workaholic e dificilmente isso mudará em mim.

Se você também não se importa de acordar cedo na segunda feira e ir trabalhar é um sinal que você está no caminho certo.

Ser bom no que você faz


Não basta gostar do que você faz, para garantir seu emprego/vaga/trabalho é imprescindível ser bom, destacar-se dos demais. 

Um profissional responsável e que se destaca dos demais tem maiores chances de promoção e ascender profissionalmente de foma meritocrática e consequentemente galgar os degraus rumo à IF de forma mais rápida.


Ganhar bem

Centenas, milhares, milhões de pessoas encontram-se em uma situação de descontentamento com o seu salário.

Segunda pesquisa da Catho, dos empregados que pedem demissão, 15% é por descontentamento com o salário (http://www.catho.com.br/institucional/2011/10/pesquisa-da-catho-online-aponta-que-72-dos-profissionais-ja-pediram-demissao-ao-menos-uma-vez/).

Bom, você gosta do que faz e é bom nisso...

Você já parou para pensar se está contente com o que ganha ou o valor que lhe é pago é compatível com o trabalho por você desenvolvido? Você ganha bem?

Acredito que não só gostar do que faz e ser bom, é importante o reconhecimento financeiro. A contrapartida pela qualidade da sua mão-de-obra. Seja você funcionário ou empreendedor, é importante o retorno monetário pelo trabalho por você desenvolvido.

E depois...

Digamos que você alcançou a tão sonhada independência financeira e trabalhar a partir de agora seria apenas um hobby. Você continuaria na ativa? 

Ou tentaria algo novo, como buscar realmente fazer aquilo que gosta ou buscar novos desafios? 




17 comentários:

  1. Colega, sugiro (acaso ainda não conheça) que você procure o trabalho de Cal Newport. Leia os livros "So Good They Can Not Ignore you" e "Deep Work". Se não quiser ler os livros, há no you tube palestras sobre o mesmo.
    Creio que fará você entender bastante o motivo de você gostar do seu trabalho (mesmo não tendo sido a sua opção ou sua "vocação") e o motivo de tantas pessoas estarem descontentes em seus trabalhos.
    Para mim foi uma leitura extraordinária que abriu diversas outras fontes de reflexão e caminhos para a prática.
    Um abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Soul, ainda não li não. Obrigado pela sugestão! Abraço!

      Excluir
  2. Olá Finansfera,

    Estou no meio desses 42% - Adotaria uma rotina para uma vida saudável. Ou seja, vou continuar com meus hobbies, adotar outros, etc.

    Eu não gosto de chefe, apenas tolero. Meio corporativo não foi feito para mim.

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala Cowboy, pois então eu também gostaria de adotar um estilo de vida saudável e tal, só não faço hoje por falta de tempo. Abraço!

      Excluir
  3. Com independencia + liberdade financeira, dedicaria em ajudar mais pessoas que precisam (nem que seja somente com palavras), visitar hospitais e participar mais da doutrina que sigo (espírita), viajar mais e tambem ajudar meus pais. Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Gari! É isso aí, acho que o mais importante é a pessoa não perder a sua essência e priorizar coisas que lhe fazem bem. Hoje, pela falta de tempo, sempre que posso procuro fazer doações, seja em valores, roupas ou ração para abrigos de animais. Abraço!

      Excluir
  4. Excelente! Gostei da reflexão! Eu já tive um emprego que me causava depressão aos domingos por saber q a segunda-feira estava chegando! Graças a Deus hoje tenho um emprego que chego todos os dias de manhã super animado e motivado! Abraços

    ResponderExcluir
  5. Olá Finansfera!

    Boa reflexão! Vou montar um post sobre mudanças, li dias atrás um relato de um blogueiro americano contando sua experiência pós if. Gostei da seguinte frase;

    o que te fará levantar da cama todos os dias? Especialmente quando essa cama é muito mais confortável?

    Ele falou isso após vivenciar um ano sem trabalho e com a if garantida.

    Interessante, não?

    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade Inglês! É preciso ter cuidado para não cair em uma rotina de ociosidade e aquilo que você sempre almejou tornar-se uma frustração. Acredito que o equilíbrio seja a chave de tudo. Abraço!

      Excluir
  6. ILUSÃO.

    É palavra mais adequada para definir está busca desenfreada e cega pela independencia financeira. A independencia em si é maravilhosa, mas as motivações, como bem consta nos resultados da sua pesquisa, são as mais ilusórias possíveis. Parar de trabalhar? A senssação de improdutividade é uma das piores que existem no mundo moderno. Só ver quanto os idosos sofrem após deixar seus empregos.

    Acho que deveríamos tentar viver feliz com o nosso agora, claro, sem deixar de ter objetivos e metas, porém sem se deixar ludibriar por ele.

    se você não se sente pleno agora, no presente, não é um evento futuro que te fará se sentir assim. É claro que quando conseguimos algo que muito almejamos, nos sentimos bem, mas esse sentimento é um pico passageiro, não algo duradouro. O enfoque no futuro traz consigo ansiedade, uma constante espera por aquele momento em que você vai finalmente experienciar a plenitude, mas isso é uma ilusão. Você pode conseguir o seu primeiro milhão e logo passará a almejar o segundo. Você pode encontrar o amor da sua vida e viver algum tempo em êxtase, mas eventualmente você voltará ao seu estado normal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também penso assim anom, a vida é como uma viagem de férias de carro, se você tem a mente de curtir apenas o destino final, então irá perder tanto o percurso de ida (que se tornará um momento de grande ansiedade e pouca contemplação) como irá perder também o percurso de volta (que se tornará um momento enfadonho pois uma vez atingido o objetivo final você perde a referência). Enfim, a vida é o que acontece enquanto você está fazendo planos.

      Excluir
    2. Olá Anon, muito boa a sua reflexão, assim como o complemento do Uó. Como escrevi em um comentário acima, a chave do sucesso é o equilíbrio. A busca pela IF deve ser algo prazeroso e não uma caminhada tortuosa de total privação da vida. Cada um sabe o que quer para a sua vida e deve antes de mais nada saber suas reais motivações para tentar atingir a IF e de que forma farão isso e o que farão depois. Eu, por exemplo, não privo-me de uma viagem legal por ano e trabalho para ela caber no meu orçamento. E assim por diante... você nunca sabe o dia de amanhã e se algo der errado em sua jornada, pelo menos você vai poder olhar para trás e não se arrepender por ter se privado de muitas coisas na vida. Abraço!

      Excluir
  7. Acredito que o trabalho mais prazeroso é aquele que você contribui para a humanidade. Não estou escrevendo mensagem bonita, mas penso que aquilo que você faz e contribui para o bem estar das pessoas é muito gratificante. E quando mais pessoa você atinge, maior é a satisfação. Imagine a(s) pessoa(s) que criou esta plataforma de blog, uma ferramenta que ajuda milhares de pessoas no seu dia-a-dia, a satisfação desta pessoa em ver outras pessoas usufruindo de algo que ela criou deve ser imensa.
    Abraço
    Uó!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala Uó! Excelente comentário, afinal o blog não deixa de ser uma ocupação! Hoje eu busco no blog uma forma não só de manter meus arquivos pessoais, mas fomentar o conhecimento sobre o mercado financeiro e ajudar outras pessoas, assim como diversos blogs me ajudaram. Sem falar na possibilidade de conversar e trocar ideias com pessoas que pensam parecido comigo, coisa que é difícil de fazer no meu círculo de amizades na vida real. Abraço!

      Excluir
  8. Excelente post, o melhor é que a contribuição não acaba com o final dele, segue com muita qualidade nos comentários, graças a vocês estou vendo a jornada para a IF igual o UO falou, como uma viagem de carro, estou aos poucos me adaptando para curtir mais a vida e não só buscar a IF a todo custo, afinal como vc mesmo disse Equilíbrio é fundamental

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exato Maromba, o bom de cada post é ver as diferentes contribuições de cada um, que ajudam a fomentar a discussão sobre a IF. Abraço!

      Excluir
  9. Parabéns. Vc é um dos poucos privilegiados que faz algo que gosta e ainda ganha dinheiro com isso. Boa viagem !

    ResponderExcluir

Comente aqui.

Abaixo você encontra os posts mais recentes da blogosfera financeira